9 de dez de 2012

Amor de Poeta





















Amor de poeta

Quero amor de poeta
que deite lirismo em mim.
Quero estrofe livre, completa,
num ritmo ascendente assim.

Me ame em prosa,
me sinta toda em verso,
me regale em  trova
e me ache no reverso.

Quero amar em rima,
toda versificação,
me deleitar em sextina,
juntar métrica e paixão.

Poetar a noite inteira,
Ser do poeta... parceira.
Me entregar faceira,
numa estrofe inteira.

Fazer um belo dueto
numa literatura de cordel,
me acabar num soneto,
repetir tudo num rondel.

10 de outubro de 2008.

13 de mar de 2012

MINHA ALMA



MINHA ALMA

MINHA ALMA É COMO UM TRONCO
EM QUE A VIDA VAI RISCANDO,
O TEMPO VAI PASSANDO
E AS MARCAS VÃO FICANDO.
ALGUMAS CARREGO COM ORGULHO
OUTRAS COM DOCE CANDOR,
MAS, AS MARCAS MAIS PROFUNDAS
QUE TRAGO SÃO DEIXADAS PELO AMOR,
ENTRELAÇADAS, TÃO CONFUSAS,
COM AS DEIXADAS PELA DOR.

11/12/2012

10 de dez de 2011

Simplesmente... Amor



SIMPLESMENTE... AMOR.


AMOR CONJUGADO:

PASSADO

PRESENTE

FUTURO.


AMOR EM GESTOS.

SUTIL

OLHAR

A VIGIAR.


AMOR QUE SOBEJA,

TRANSBORDA,

EXTRAVASA,

CONTAMINA.


AMOR APRENDIZ,

PROFESSOR,

DEMONSTRA,

ENSINA.


AMOR LEGADO,

BEM MAIOR

QUE SE PROPAGA

E TRANSMITE.


AMOR

QUE ESTÁ NO AR,

ENERGIA A IRRADIAR

O AMOR A ETERNIZAR.


Drica de Assis

08/12/2011.


P.S. : Meu carinho e admiração ao casal que, com seus gestos, inspirou esse poema.

“Seu” Humberto e “Dona” Ieda, PARABÉNS pelos 53 anos de união.

2 de fev de 2010

Preamar




PREAMAR


Mudar, mudar,

metamorfosear.

Erupção de vulcão,

matéria em fusão.

Primeiro lava,

depois solidificação.

Germinar da semente,

Raízes firmes,

ramos buscando o sol.

Gaiola aberta,

pássaro liberto.

Asas atrofiadas

Anseiam o céu.

Lua cheia, preamar.

Coração desperto,

Aprendendo a amar.


Drica de Assis

02/02/2010

10 de jan de 2010

Coração Alado



Coração Alado


Será meu destino, minha sina?
Sempre a urgência me inquietando.
Nessa “doce” espera que me amofina,
a ansiedade, faminta, vai consumindo.

A vida tortura ao criar expectativa.
Sei que tenho que aprender a lição,
saber controlar essa angústia cativa
que aflige o tolo do meu coração.

Tonto, que tal qual um livro se abre,
expondo folha a folha a sua verdade.
Sobre seu caráter a injuria é um sabre,
que fere a ferro e sangra a veracidade.

Irresponsável foi o alguém,
que deu asas a esse ser pueril,
que em segundo vai de zero a cem
e em um minuto já passou de mil.

Drica de Assis
14/02/2009.

22 de dez de 2009

O amor não é cego



O AMOR NÃO É CEGO


O amor não é cego
É tolerante e compreensivo.
Quem ama enxerga os erros do outro,
A grande diferença de quando existe amor,
É que, quem ama não condena e vira as costas,
Procura ajudar o outro a ser um ser melhor.
É paciente ao ensinar é humilde ao aprender
A vida é um aprendizado constante, ininterrupto.
Nessa nossa “viagem” somos alunos e professores
E se esse aprendizado nos chega através do amor
Muito maior e gratificante será nosso crescimento.


Drica de Assis.
22/12/2009.

17 de dez de 2009

Porto... Solidão




PORTO... SOLIDÃO


SOLIDÃO...

NO MEIO DA MULTIDÃO.

NÃO SOU O QUE MOSTRO

MAS O QUE ESCONDO.

ONDE ME ESCONDO...

ONDE ME ENCONTRO!?

POR ONDE ANDO,

POR ONDE ANDEI?

PRA FALAR A VERDADE,

NEM EU MESMA SEI.

ESSA LUZ QUE ME GUIA

ME MOSTRA O VAZIO.

TANTAS QUESTÕES...

NEM MESMO SABIA.

UM PEIXE PILOTO,

BICHINHO DE ESTIMAÇÃO.

PELO MUNDO ABSORTO...

SENTADA NO PORTO

SOLIDÃO.


DRICA DE ASSIS

15/12/2009

12 de dez de 2009

Poema






POEMA...

SALPICAR A ESSÊNCIA
NUM PEDAÇO DE PAPEL
É CINTILAR CADA LETRA
COMO ESTRELAS NUM CÉU.

DESABROCHAR UM POEMA,
FEITO DANDELION FLUTUAR.
DO CORAÇÃO A PURA GEMA,
DAS ASAS D’ ALMA O RUFLAR.

NÃO DEIXAR A PENA DANÇAR,
NÃO DEIXAR A TINTA CORRER,
É O MESMO QUE SUFOCAR,
E COMO SE DEIXAR MORRER.

Drica de Assis
12/12/2009

5 de nov de 2009

Vida



VIDA

SENTIMENTOS BORBULHANDO
COMO LAVA NUM VULCÃO,
A ALMA RUFLANDO AS ASAS
NUM ESFORÇO PARA O VÔO.
QUANTAS AMARRAS AINDA
PRECISAM SER DESATADAS!
TAREFA PARA TITÃS.
É PRECISO RENASCER
COMO O SOL,
A CADA NOVA MANHÃ.
SER COMO UM MUTANTE
TRANSFORMADO DIA A DIA.
ALÇAR VÔO, ALCANÇAR O CÉU,
BUSCAR O OLIMPO.
NÃO TER LIMITES,
VER ALÉM DO HORIZONTE.
TER METAS
SEM PONTO FIXO.
A ESTRADA NÃO TEM FIM,
NÓS DETERMINAMOS
ONDE QUEREMOS SALTAR.
Drica de Assis
05/11/2009.